Conhecimento.Ideia.Inovação

 

Clique para ver Curriculum Vitae

UM POUCO DE HISTÓRIA

A introdução de tecnologias informáticas na empresa iniciou-se nos anos cinquenta do século XX. Desde essa época que as novas tecnologias permitiram aumentar continuamente a produtividade do trabalho e deram significativas vantagens competitivas às empresas que melhor as souberam aproveitar.

Durante todo este processo, também o próprio trabalho sofreu uma grande evolução. Com a inovação continua das tecnologias, passou a ser necessário manter o mesmo ritmo de actualização dos conhecimentos dos seus utilizadores. Sem este investimento em formação passou a não ser possível manter de forma sustentada os ganhos de produtividade e assim assegurar a sobrevivência e desenvolvimento da empresa. A formação contínua passou a ser prática usual. Surgiu o “knowledge worker”.

Esta ligação entre pessoas e tecnologias, não é nova, sempre existiu. O que é novidade é o ritmo a que as tecnologias se tornam obsoletas. Este nunca foi maior.

Nos últimos cinquenta anos deu-se um grande crescimento populacional, abriram-se novos mercados, surgiram milhões de novas empresas, globalizou-se a concorrência, aumentou exponencialmente o ritmo de introdução de novos produtos, modificou-se o grau de exigência do consumidor, e cresceram em tamanho e complexidade os processos que enquadram a operação de cada empresa.

O “package” e o ERP (Enterprise Resource Planning)...

A automatização do maior número possível de processos foi sempre um factor de competitividade, ao permitir a redução de custos através da eliminação de actividades com pouco ou nenhum valor acrescentado.

No início da última década do século passado surgiu o conceito de “package” de software e, já mais para o seu final, o de ERP (Enterprise Resource Planning). São as primeiras grandes respostas da tecnologia informática às necessidades de automatização, integração e optimização das empresas.

Anteriormente, a maior parte da informatização tinha por base a realização de desenvolvimentos nos sistemas de informação à medida do negócio de cada empresa. Este negócio era compreendido como único, original e particular, nada tendo a ver com o de outras empresas, mesmo do seu sector económico.

A solução “package” integrado veio introduzir uma nova forma de as empresas verem os sistemas de informação. Sendo, por definição, uma solução para muitos casos, teve que introduzir um enorme rigor na execução dos processos, ao identificar e potencializar as funcionalidades que unem todas as empresas, reduzindo muito os investimentos necessários nas áreas funcionais comuns. Este facto permitiu construir soluções mais estruturadas e menos onerosas, pois a sua base de desenvolvimento passou pela busca das “best pratices” de cada indústria ou serviço.

O ISCM (Integrated Supply Chain Management)...

Mas, o espaço em que se realiza o negócio da empresa é hoje muito vasto, polvilhado de entidades, e todas elas muito interventoras no mercado. A colaboração de negócio, mesmo entre empresas concorrentes, tornou-se um facto do dia a dia. O alargamento dos processos de negócio a entidades externas passou a ser uma preocupação de gestão. Compreende-se hoje que cada empresa encontra-se inserida numa cadeia de fornecimento ou abastecimento, que deve ser eficiente para todos os participantes ganharem com o facto. Quem ficar de fora arrisca-se a não sobreviver, ao não conseguir optimizar a eficiência dos seus processos e, por conseguinte, dos seus custos totais. Ainda antes da Internet e de se falar em business-to-business (B2B), surgiu o conceito de ISCM (Integrated Supply Chain Management), como resposta para elevar o nível de colaboração inter-empresas.

O CRM (Customer Relationship Management)...

Nos últimos cinco anos, o aumento no volume da concorrência fez voltar a atenção da empresa para a entidade cliente. Manter uma sólida base de clientes, continuamente melhorada e renovada, é a razão de ser de cada negócio, mesmo das empresas monopolistas. Surgiu o conceito CRM (Customer Relationship Management) e com ele as novas tecnologias que tornam operacional a exploração deste novo conceito.

A BI (Business Intellingence) e o KM (Knowledge Management)...

Com o crescente volume de informação que entra e sai diariamente de cada empresa, começou a não ser fácil, nem rápido, tomar decisões “em tempo útil”. Surgiu o conceito BI (Business Intelligence) associado a novas ferramentas de gestão que procuram disponibilizar, de forma estruturada, a partir dos sistemas transaccionais, ERP, ISC, e CRM, um conjunto de dados e indicadores de gestão que aceleram e tornam mais fidedigno o processo de decisão.

Mais recentemente, surgiu o conceito KM (Knowledge Management) como uma resposta para as necessidades de estruturação da informação, mas também como uma primeira tentativa de explorar, de forma sistemática, a base de conhecimento de cada empresa sobre o seu negócio. Pretende-se que o próprio sistema “aprenda” e venha a sugerir estratégias ou, numa primeira fase, linhas de acção que contribuam para a evolução do negócio e que “aligeirem” o processo de tomada de decisões. 

A colaboração Inter-Empresas...

São muitos e novos os conceitos, são muitos os esforços efectuados para os implementar e para os explorar eficientemente, são muito elevados os investimentos já realizados, e muito maiores os que se avizinham. Além de ser preciso escolher bem, é preciso implementar bem, e mais difícil ainda, é preciso saber explorar todas as capacidades que as novas tecnologias nos oferecem. É preciso integrar as pessoas com as tecnologias através da contínua construção e inovação de processos de negócio intra e inter-empresas.

É preciso converter Informação em Conhecimento, Conhecimento em Decisão e Decisão em Negócio.

 

Lisboa, 15 de Setembro de 2001

 

Mensagem Inicial

Um Pouco de História

O Hiper-Espaço de Negócio

"Um por Todos, Todos por Um"

Gestão de Contratos... (Parte 1)

Reengenharia ou Engenharia...

Pessoas e Tecnologias...

Da Dinâmica Empresarial

Da Informação ao Conhecimento

Desempenho Organizacional

Gestão Electrónica Documentos

Plano Estratégico de SI

Produtividade e Complexidade

O Impacto do ERP

A Dinâmica da Mudança

As TI no Sector Público Estatal

Medir o Desempenho

Provedores do Cliente

Free Software - o futuro das TI

Gestão de Projectos - calcanhar...

Liderança e Vitória

Outsourcing Estratégico e ...

O Primado da Ideia

A Meta - O Romance da Gestão

Resposta - IT Does Not Matter...

e-Segurança - Preparados?

IT Governance - ...

Reengenharia do Sector Público

 

 
         

Copyright © 2001-2009 DecisionMaster, Sistemas de Informação e Suporte à Decisão, Lda. Todos os direitos reservados.

Site optimizado para a resolução de ecrã 1024 x 768 e Internet Explorer 5+