Conhecimento.Ideia.Inovação

 

GESTÃO

Clique para ver Curriculum Vitae

"UM POR TODOS, TODOS POR UM" 

... ou como a colaboração é fundamental no futuro das empresas, seja qual for o sector de actividade.

in Semanário Económico, nº 792, 15 de Março de 2002

O título deste artigo é a famosa frase dos “Três Mosqueteiros”. Esta é a frase que melhor sintetiza o compromisso de colaboração entre várias entidades.

A globalização dos mercados, as maiores exigências dos consumidores e a crescente complexidade tecnológica dos produtos fez com que as empresas começassem a colocar uma ênfase particular na gestão das suas parcerias. 

A necessidade de gerir parcerias surgiu de dois fenómenos que têm actuado em paralelo ainda que sejam distintos, a “recentragem” no “core-business” e a “componentização” dos produtos. O primeiro tem um grande impacto na Cadeia de Decisão (tema que abordaremos num futuro artigo), enquanto o segundo influencia decisivamente o desenvolvimento da Cadeia de Abastecimento.

“Um por todos” na Cadeia de Abastecimento

Nesta cadeia, a prestação competitiva de cada entidade afecta directamente os resultados operacionais de todas as outras, uma vez que os ganhos de produtividade reflectem-se directamente no preço final do produto. 

Desta forma, “Um por todos” pode ser o lema de uma empresa que decide encetar projectos de Optimização de Processos. Sozinha, pensa estar a contribuir para o bem-estar geral, ao aumentar a sua produtividade e ao reduzir os custos de toda a cadeia. É um processo que pode encetar por decisão própria, mas cujo impacto pode ser sentido em todos os seus parceiros de negócio.

No entanto, esse impacto pode ser benéfico ou prejudicial para a sua Cadeia de Abastecimento, dependendo, não só da forma como recolhe informação do cliente e a transfere para o fornecedor, mas também da forma como os novos processos de negócio podem ocasionar melhorias ou rupturas no negócio dos seus fornecedores. 

“Um por todos” é uma actuação relativamente “cega”, pois a empresa toma decisões de melhoria dos seus processos sem procurar harmonizar esses processos com os dos outros intervenientes na Cadeia de Abastecimento. Esta não é a melhor forma de aumentar a competitividade, pois a empresa que assim actua pode estar a colocar em causa a sua linha de abastecimento, sofrendo posteriormente as consequências directas e indirectas dessa actuação: falência de fornecedores, entregas atrasadas, produtos de menor qualidade, etc. 

“Todos por um” na Cadeia de Abastecimento 

Esta parte da frase representa a essência da colaboração, e é através da sua prática que podem extrair-se os maiores benefícios da optimização de uma Cadeia de Abastecimento. No entanto, a sua implementação apresenta desafios significativos.

Um primeiro desafio coloca-se logo no início, com a definição da entidade coordenadora do projecto de optimização/integração. Esta entidade pode ser independente de todas as partes, ou ser imposta pela entidade da Cadeia com maior poder de negociação. No entanto, a definição clara e explícita de quem coordena os projectos de optimização, é fundamental para se conseguiam obter os resultados pretendidos: melhorias na qualidade do produto e no nível de serviço a custos mais baixos. 

Um segundo desafio coloca-se ao nível da disponibilização muito rápida de informação. Que informação deve ser recolhida, tratada e comunicada? Que sistemas devem ser utilizados no encaminhamento dessa informação? 

A forma como se dá resposta a estas questões é muito importante para a efectiva operacionalidade da Cadeia de Abastecimento, uma vez que a informação deve fluir muito rapidamente ao longo da cadeia, e cada interveniente tem, normalmente, necessidades de negócio distintas e por isso sistemas de informação próprios e dedicados. Como harmonizar e resolver esta situação?

Hoje, um projecto de optimização da Cadeia de Abastecimento, passa muito pela implementação de modernos sistemas de informação que permitam tratar muita informação recolhida ao cliente (através de um sistema CRM – Customer Relationship Management), de forma a torná-la rapidamente disponível a todos os intervenientes numa Cadeia de Abastecimento. Aqui os modernos softwares ERP (Enterprise Resources Planning) aliados às aplicações específicas de Supply Chain Management podem fornecer uma grande ajuda, senão mesmo a solução final (SAP, ORACLE, BAAN, JDEdwards, são alguns dos possíveis candidatos a este papel). 

No entanto, a implementação de um projecto de integração inter-organizacional coloca um terceiro e não menos importante desafio. Exige uma mudança radical de mentalidades ao nível da gestão empresarial. Para que o sucesso seja uma palavra normal na implementação de sistemas colaborativos, é preciso que exista uma partilha efectiva de informação de negócio

Esta evolução implica que os empresários têm que deixar de considerar a informação como um “segredo de estado”, só útil para si e escondida de todos os seus parceiros. Se a informação for escondida, como é possível melhorar a eficiência de toda a Cadeia, e assim conseguir melhorar o bem-estar colectivo?

“Todos por um” é um dos maiores desafios que se colocam ao nível do comportamento das empresas quanto ao tratamento da sua informação. Será que conseguem ultrapassar os traumas da célebre frase “o segredo é a alma do negócio”, e colocar a sua informação de mercado à disposição dos parceiros?

As empresas em que existe, já hoje, uma maior cultura de colaboração, como as do Norte da Europa, estão em franca vantagem em relação às de países como Portugal, em que ainda subsiste uma mentalidade extremamente protectora da individualidade. A manutenção desta mentalidade só terá um resultado possível, a continuação da perda de competitividade das empresas nacionais, a sua rápida saída do mercado, e a transformação da estrutura de emprego do país. 

Mas os desafios ainda não terminaram, existe um quarto desafio. Na Cadeia de Abastecimento é fundamental a entre-ajuda, a análise conjunta das problemáticas, a compreensão do compromisso da empresa com o bem-estar de cada um. Mais do que a colaboração, deve também ser promovido o espírito de solidariedade. É preciso que todos estejam bem informados do seu papel e da sua contribuição para o bem-estar geral.

“Todos por um” na Cadeia de Abastecimento exige um grande esforço de negociação, exige a construção de um espírito de colaboração, de partilha, de crítica construtiva, mas também exige união, dedicação, e um esforço conjunto na procura de soluções inovadoras e que permitam manter a competitividade das nossas empresas. Só com este novo espírito será possível ultrapassar esta crise e ganhar os grandes desafios da produtividade e da prosperidade geral.

 

 

Mensagem Inicial

Um Pouco de História

O Hiper-Espaço de Negócio

"Um por Todos, Todos por Um"

Gestão de Contratos... (Parte 1)

Reengenharia ou Engenharia...

Pessoas e Tecnologias...

Da Dinâmica Empresarial

Da Informação ao Conhecimento

Desempenho Organizacional

Gestão Electrónica Documentos

Plano Estratégico de SI

Produtividade e Complexidade

O Impacto do ERP

A Dinâmica da Mudança

As TI no Sector Público Estatal

Medir o Desempenho

Provedores do Cliente

Free Software - o futuro das TI

Gestão de Projectos - calcanhar...

Liderança e Vitória

Outsourcing Estratégico e ...

O Primado da Ideia

A Meta - O Romance da Gestão

Resposta - IT Does Not Matter...

e-Segurança - Preparados?

IT Governance - ...

Reengenharia do Sector Público

 

 
         

Copyright © 2001-2009 DecisionMaster, Sistemas de Informação e Suporte à Decisão, Lda. Todos os direitos reservados.

Site optimizado para a resolução de ecrã 1024 x 768 e Internet Explorer 5+